O século XVIII regressa ao Coliseu pelas vozes de “Rigoletto”

O recordar das histórias perdidas do século XVIII…

O regresso estava prometido e, como tal, o Coliseu do Porto apresenta Rigoletto no dia 26 (sexta-feira) de Maio. Revivendo o momento em que se estreou na sala principal, é com uma melodiosa aventura teatral que Fernando Alvarez dirigirá a Opera del Mediterraneo pelo recordar das histórias perdidas do século XVIII.

Por volta das 21:00h, o  bobo da corte, Rigoletto, pisará o palco para revelar o seu mau-humor e o seu maior tormento – a conquista do coração da sua amada filha, Gilda, pelo Duque de Mântua.

Os risos instaurar-se-ão na sala, assim, como as vozes harmoniosas que interpretam um conto percorrido pela sedução, proteção, amor e suspense.

Após descobrir o mesmo, o ódio será , em primeira instância, a emoção que levará à tentativa de assassinato do duque, contudo, a maior tragédia estará por vir com a resistência de Gilda.

Um devaneio amoroso composto por Giuseppe Verdi, com a participação dos textos soltos do argumentista Francesco Maria Piave, Rigoletto, assume-se como uma ópera estruturada em 3 composições diferentes, que revelam uma inspiração continua na peça de teatro Le Roi S’amuse, de Victor Hugo.

A sua principal referência estreou no Teatro La Fenice de Veneza em 11 de Março de 1851.

Recordando os últimos espetáculos que a Opera del Mediterraneo apresentou em Portugal, Madame Butterfly(1908\2016) e La Traviata (2016) é legítimo afirmar que o “povo português” percorreu longas composições com uma envolvência determinada por um dicotomia lúcida e transcendente.

Os bilhetes encontram-se disponíveis no Coliseu do Porto e na plataforma online.

 Newsletter