茶, A bebida que aquece os dias de outono

Era uma vez um imperador que, ocasionalmente, criou uma lenda. Era uma vez um imperador que prescreveu 5000 anos de experiências.Era uma vez um imperador que inaugurou a história do chá.

 

A junção de ervas aromáticas com um bem essencial à vida – a água – criaram o que ainda hoje intitulamos de Chá ( 茶 – em mandarim) .

Foi por terras chinesas que Shen Nung (神農) se sentou. Os arbustos que resfriavam o imperador soltaram-se sobre a água fervida no pote e repousaram.

O sabor despertou juntamente com o aroma e eis o segredo da receita que permitiu as trocas nos mercados europeus e alimentou as colónias portuguesas em Macau.

O acaso que decorreu em 2737 a.C, atualmente, é desenvolvido não só para aquecer a alma, como também permite inúmeros benefícios para a saúde, após o procedimento de infusão.

 

“O Sushi conta histórias mas o chá ultrapassa-o”

Habituados a levar a cultura japonesa a sua casa, para muitos, a cultura chinesa ultrapassa essa insistência nas casas europeias.

Além dos chás básicos que reconhecemos, existe uma variedade de ervas e flores que originam sabores que se distinguem.

O chá de Gengibre Jiāng, Camélia – 茶花 Cháhuā e Camomila –黄春菊 Huáng chūnjú foram os primeiros a propagarem-se. 

As bandejas típicas detinham um mecanismo que, nos ares europeus, escasseiam nos dias que decorrem.

O uso banal leva-os a ser demasiado monótonos colocando apenas o saco de ervas aromáticas na chávena, juntamente com a água fervida.

 

                                          Chá Inglês, five o’clock tea 

No caso inglês, a hora do chá é um hábito que passa por todas as casas britânicas.

Um tradição que identifica desde logo a cultura inglesa e que permanece desde o século XIV.

Além da pontualidade das five o’clock, o habitual chá preto com leite não poderia faltar.

O “milky” e o “classic British” diferem de acordo com o gosto. O primeiro requer uma quantidade maior de leite. No caso do “classic British“, a maior quantidade é de chá. Uma mistura que surpreende muitos, levando Pantone a criar uma chávena que identifica as quantidades ideias.

Chás Medicinais: Mito ou Verdade? 

As ervas aromáticas que possibilitam a criação do chá são efetivamente um estimulante para a recuperação de diversas doenças provenientes de qualquer parte que constitui o corpo humano.

Em Portugal, diversas marcas envolvem os produtos naturais como uma cura existencial. A “Chás do Mundo” apresenta uma lista que enumera chás para diversas doenças nomeadamente: Colesterol, Diabetes, Diúreticos, Problemas de Estômago, Figado e Vesícula, Gripes e Constipações, Prisão de Ventre, Prostata, Reumatismo e Ossos, Rins, Tensão Arterial, Útero e Ovários.

Não se contendo apenas no contributo medicinal, os chás ajudam a combater o vício do café. Ainda que alguns retenham cafeína  – os estimulantes – o seu conteúdo não cria uma dependência total.

Direto da Ásia, o chá ultrapassou uma guerra civil, ergueu a “tea party” e vive no paladar do mundo.

Eis a história do chá.

 

Foto: Shutterstock/BonAppetit
 Newsletter