2018: O MIMO volta hoje às redondezas do Tâmega!

A cidade de Amarante é palco da terceira edição do MIMO Festival, que se realiza de 20 a 22 de julho, no qual a música, o cinema e a arte nas suas formas mais autênticas dão asas à imaginação.

Com cerca de 53 atividades de acesso gratuito e com a presença de artistas de 16 nacionalidades, a cidade natal de Amadeo de Souza Cardoso apresentará 6 espaços emblemáticos, no qual realizará um roteiro cultural, chuva de poesia e uma exposição inédita do artista.

Pela primeira vez em Portugal, artistas como Matthew Whitaker Trio (EUA), do super-grupo Hudson com Jack DeJohnette, John Scofield, John Medeski e Scott Colley (EUA), GoGo Penguin (Inglaterra), Shai Maestro Trio (Israel), Baiana System, Moacyr Luz e Almério (Brasil), pretendem dar voz a uma das máximas que o festival pretende ecoar: “revelar o que de melhor se faz na música na atualidade”.

Quanto a Goran Bregovic Wedding and Funeral Band (Sérvia), Otto (Brasil), Orquestra Chinesa Cheong Hong de Macau (China), Timbila Muzimba (Moçambique), Pablo Lapidusas International Trio (Argentina/Brasil/Cuba), Dona Onete (Brasil), Noura Mint Seymali (Mauritânia), Rui Veloso, Dead Combo, Bruno Pernadas e Marta Pereira da Costa (Portugal), é sempre bom voltar às essências portuguesas e ao público do Norte e, dessa forma, os artistas pretendem dar música aos ouvidos de todos aqueles que chegarão a locais como:Parque Ribeirinho, Museu Amadeo Souza-Cardoso, Igreja de São Gonçalo, Cinema Teixeira de Pascoaes, Centro Cultural Amarante, Largo de São Gonçalo e Parque Florestal de Amarante.

Com a promessa de dar palco a novos talentos e luz a nomes consagrados da música, a inclusão é uma das palavras-chave do musical, tanto como o conceito de diversidade.

Exemplo de tal são as 13 exibições que estarão presentes no Festival MIMO de Cinema, algumas delas em estreia em Portugal; o Programa Educativo, com 10 workshops e oficinas, com a presença dos músicos que fazem parte do cartaz deste ano; o Fórum de Ideias, com duas palestras, uma sobre Património Europeu e outra sobre a Sonoridade Actual da Música Urbana Brasileira; um Roteiro Cultural; uma Chuva de Poesia dedicada à autora brasileira Hilda Hilst; atividades dedicadas aos mais novos no MIMO para Crianças; e duas exposições – uma das grandes novidades do MIMO Festival Amarante.

Em estreia estará um MIMO dedicado à exposição: “Os Modernistas. Amigos e Contemporâneos de Amadeo de Souza-Cardoso, Colecção Millennium bcp” será inaugura HOJE (20), e poderá ser visitada no Museu Amadeo de Souza-Cardoso até 28 de outubro, data de celebração do centenário da morte do artista amarantino.

 

15 ANOS DEPOIS…

Em dias de celebração, será possível conhecer mais de uma década de história na mostra de fotografia “Cenários – MIMO 15 anos”, que terá lugar no átrio do Museu Amadeo de Souza-Cardoso.

Nascido no Brasil em 2004, idealizado por Lu Araújo, a primeira edição internacional do MIMO foi realizada em 2016 na cidade de Amarante.

A capacidade de atracção e de mobilização de públicos foi a distinção que viria a caraterizar o festival por mais 2 anos. Com uma edição de estreia que contou com mais de 24 mil pessoas “a invadirem as ruas, as igrejas, os museus… e os vários espaços onde o festival acontece.”

Um ano depois, em 2017, o número elevou-se para cerca de 60 mil espectadores. O sucesso do seu posicionamento e enquadramento valeu a distinção nos Iberian Festival Awards para Melhor Infraestrutura Nacional.

Assim, o ano de 2018 promete distinguir-se com a campanha ‘Dois Ouvidos é Pouco’. Tal como a fundadora do festival, Lú Araújo afirma, “O MIMO é muito mais do que ouvir música, é uma experiência sensorial. O festival nasceu há 15 anos no Brasil e tem vindo a construir relações entre músicos, cidades, património, público e diversas manifestações culturais; redes e teias, tem unido, interagindo e trocando experiências vindas de toda a parte do mundo. É preciso mais do que ouvir, é preciso vivenciar. ‘Dois Ouvidos é Pouco’ para a experiência que o festival proporciona”.

Um festival aguardado por muitos e que estimulando a bagagem e o conceito de questões “Sem Barreiras”, o objetivo de facilitar a acessibilidade, a integração e a mobilidade de pessoas com necessidades especiais ou mobilidade reduzida, durante o festival em Amarante, volta a repetir-se novamente.

 

Afirmando a inauguração do MIMO festival, certamente será um “ano de consagração” que se fará ouvir!

 

 Newsletter